Câmera na Estrada

Fotografia, viagem e os dois juntos!

Category: Equipamentos (page 1 of 7)

Nikon lança câmera com zoom de 125x

nikon p1000

Foto: www.nikonusa.com

A Nikon lançou essa semana sua nova câmera prosumer Coolpix P1000. A nova câmera tem um sensor de 16 Megapixel, ISO 100-6400, faz fotos a 7fps e vídeos em 4K a 30fps, tem display móvel e estabilização de imagem. Mas a grande novidade da Coolpix P1000 é o novo zoom ótico de 125x.

A fabricante deu uma exagerada em matéria de zoom e colocou na Nikon P1000 uma objetiva equivalente a 24-3000mm, um pouco além da P900 que já impressionou com sua objetiva 24-2000mm. O fabricante promete que, com essa câmera, você vai conseguir fotografar detalhes da lua. E é verdade porém, a conversa é um pouco mais complexa.

Em primeiro lugar, existem restrições óticas. Um zoom 24-3000mm certamente irá perder qualidade ótica em parte ou em toda a sua extensão. Outro problema é a estabilização em zoom máximo. Segurando a câmera na mão, é praticamente inviável fazer fotografias a 3000mm. Para ter uma imagem bem definida, é preciso um tripé de ótima qualidade, qualquer outro irá tremer e provavelmente prejudicar a imagem. De qualquer modo, é uma ótima câmera com boa qualidade de imagem e vários recursos interessantes. É perfeita para imagens usadas na internet ou mesmo pra quem não procura um resultado profissional.

Abaixo, algumas fotos de exemplo feitas pela Nikon, lembrando que são imagens feitas nas melhores condições possíveis e com pós-produção profissional:

 

nikon p1000

Foto: www.nikonusa.com

nikon p1000

Foto: www.nikonusa.com

nikon p1000

Foto: www.nikonusa.com

O preço de lançamento é de US$999. Mais informações no site da Nikon P1000.

Qysea Fifish P3, o drone submarino

fifish

Foto: www.qysea.com

Você gostaria de ter um drone e fazer aquelas fotos e filmagens incríveis das suas viagens e belos lugares ao redor do mundo? E como registrar essas mesmas imagens quando for mergulhar naquele lugar lindíssimo com um mar azul turquesa? Nesse caso, você pode utilizar o Qysea Fifish P3, o drone submarino.

O Fifish é um ROV ou Remotely Operated Vehicle (Veículo Operado Remotamente em português), ou simplificando um mini submarino de controle remoto. Ele é equipado com luzes de 2000 lumen, um sensor CMOS de 1″ de 20 Megapixel que além de fotografar também faz vídeos em 4K. A câmera cobre um ângulo de 162°, um pouco menos que uma GoPro e pode ser ajustada para ISO até 12800 para situações de pouca luz, muito comuns embaixo d’água.

O drone submarino Fifish pode mergulhar até cerca de 100 metros de profundidade e é controlado por um controle remoto com suporte para celular ou tablet que permitem acompanhar o que o submarino está vendo, da mesma forma que funciona com os drones aéreos. Na parte de navegação, o Fifish tem três propulsores, alcança até 3 nós, tem controle de estabilização e pode ser operado por até 2 horas.

Interessou? Então prepare o bolso. O Qysea Fifish custa US$ 3.499. Mais informações em www.qysea.com

Câmera é encontrada intacta após mais de 2 anos no mar

Foto: Park Lee

Serina Tsubakihara estava de férias mergulhando na ilha de Ishigaki na costa do Japão em setembro de 2015. Ela fazia fotografias submarinas com sua câmera protegida dentro de uma caixa estanque. Seu amigo e parceiro de mergulho teve problemas com o equipamento e precisou da ajuda de Serina. Durante o resgate, ela deixou a câmera cair e achou que a havia perdido para sempre. Isso até 2018.

Um garoto de 11 anos estava participando de uma atividade de limpeza numa praia em Taiwan quando encontrou a câmera. A praia fica a 250 km do local onde a câmera foi perdida. A caixa estanque parecia mais uma rocha, repleta de animais marinhos grudados. O professor Park Lee achou que a câmera estava perdida porém, ao remover alguns dos animais, conseguiu abrir a caixa e descobriu que a câmera estava intacta. Nenhuma água havia entrado e a bateria ainda tinha carga.

Foto: Park Lee

Após conversar com os alunos, Lee resolveu baixar e postar as fotos encontradas no cartão de memória, de modo que a dona pudesse ser encontrada. A postagem foi compartilhada alguns milhares de vezes até que chegou a Tsubakihara. Ela nem acreditou que isso seria possível.

A fotógrafa sortuda pretende viajar para Taiwan em meados de 2018 para recuperar suas fotos e agradecer as pessoas que a resgataram e tiveram a honestidade de procurar a dona da câmera. Além disso, ela pode ter certeza que comprou a caixa estanque correta que cumpriu muito bem o papel de proteger seu equipamento fotográfico.

 

Como são fabricadas as objetivas Sigma

A gente sabe que objetivas fotográficas são sempre caras mas nem sempre sabemos o trabalho que dá pra fazer uma dessas. Johnnie Behiri, jornalista da Cinema5D, fez um vídeo curto mostrando algumas das diversas etapas de produção das objetivas Sigma. Ele foi o primeiro jornalista a ter acesso às instalações da empresa.

Ele foi até a fábrica da Sigma Corporation, algumas horas ao norte de Tokio, no Japão e foi recebido pelo CEO da empresa, Kazuto Yamaki. Nessa instalação, são produzidas as objetivas ART e Cinema. Ele conta que, o tempo todo, fica clara a atenção que o fabricante dá aos detalhes. O vídeo é em inglês e bem interessante!

 

 

 

 

GoPro lança a GoPro Hero, a nova câmera básica da marca

Foto: www.gopro.com

Após o lançamento da GoPro Hero 6, a marca resolveu dar uma cara nova para sua câmera mas básica, a GoPro Hero. Apesar de ter o mesmo nome do primeiro produto da marca, essa versão tem muitos recursos novos de suas irmãs mais novas.

A nova GoPro Hero faz vídeos em 1440p/60fps e 1080p/60fps e fotos em 10 megapixel. Ela não vem com o case mas é à prova d’água até 10m. Uma tela touch screen de 2″ foi incorporada para facilitar as filmagens e revisões dos vídeos. Ao contrário da antiga Hero, a nova câmera de ação tem WiFi e pode ser conectada a um celular ou tablet oferecendo controle total a suas funções incluindo visualização ao vivo. Outra forma de controlar a câmera é através de comandos de voz, função incluída somente nos modelos mais recentes da marca.

O novo modelo vem com uma montagem que a torna compatível com algumas dezenas de acessórios da marca como ventosas, garras e montagens diversas para moto ou carro. Por enquanto, a câmera não está disponível para venda no Brasil mas deve chegar em breve. O preço de lançamento nos Estados Unidos é de US$199,00.

Mais informações, clique aqui para acessar o site oficial da Hero.

 

Filtro UV, usar ou não usar?

Esse post é um pouco mais técnico pra quem leva fotografia um pouco mais a sério. O filtro UV é um item obrigatório pra muita gente que procura proteger suas caras objetivas fotográficas. Pra outras pessoas, é um gasto inútil e pode até prejudicar alguma fotografia. A polêmica pode ir longe e eu acredito que seja uma escolha de cada fotógrafo. Eu, por exemplo, já tive momentos em que eu usei e deixei de usar.

O filtro UV foi criado originalmente para eliminar a radiação ultravioleta que poderia gerar um tom azulado em fotografias sob sol muito forte mas isso foi antes da fotografia digital. Se você usa filme, pode perceber esse efeito em algumas imagens mas na fotografia digital, a maior parte dos sensores não é sensível à luz UV. Uma informação importante é que o filtro UV deve ter uma boa qualidade ótica. Filtros genéricos vão causar flare e até alteração cromática ou diminuição de nitidez.

Hoje eu uso em boa parte do tempo e vou explicar as vantagens e desvantagens do UV:

Vantagens
  • O filtro UV pode proteger o elemento frontal de sua objetiva de poeira, areia ou outros detritos. O uso é justificado em locais com vento e detritos no ar que podem riscar o sua objetiva ou o coating dela.
  • É muito fácil de limpar e pode ser trocado facilmente em caso de risco ou quebra.
  • É barato em relação a outros filtros fotográficos.
Desvantagens
  • O filtro pode proteger contra areia mas dificilmente vai proteger contra impactos. Se ele quebrar, provavelmente a objetiva quebra junto. Outra coisa é que só protege o elemento frontal.
  • O UV pode gerar imagens fantasma. O efeito acontece devido ao reflexo da luz na parte traseira do filme. Essa luz vem do reflexo de outros elementos ou até mesmo do sensor. Isso acontece principalmente em luzes superexpostas em fotografias noturnas.
  • O filtro é um elemento extra e vai gerar difração na luz, mesmo que muito pequena. Se quer usar um UV, invista num filtro original de uma marca de boa qualidade. Alguns bons exemplos são HOYA, Hama, Kenko e B+W. Obviamente, são mais caros que os genéricos.

Concluindo, use o filtro em ambientes que possam ser hostis à sua câmera e tire ele fora em situações que possam gerar imagens fantasma. Outro conselho é mantê-los sempre limpos para que interfiram minimamente na imagem. Para objetivas grande-angular, procure filtros Slim, mais finos para não gerar vinheta.

Câmera bate recorde de preço em leilão

Muitos fotógrafos sonham com câmeras top de linha que custam o preço de um carro. Infelizmente, nem todos podem pagar algumas dezenas de milhares de dólares numa Hasselblad. A maioria de nós mal consegue pagar uns 3000 dólares por uma top Nikon ou Canon.

Por outro lado, algumas pessoas tem dinheiro sobrando pra comprar a câmera que quiser. É o caso de um colecionador anônimo da Ásia que arrematou nos últimos dias a câmera mais cara já vendida num leilão. Trata-se de uma Leica 0-series fabricada em 1923. A câmera bateu o recorde de preço na categoria e foi vendida por 2,4 milhões de euros (uns 10 milhões de reais). O leilão aconteceu em Viena na Áustria na casa de leilões WestLicht. Pra ter uma ideia da importância histórica da peça, o sócio majoritário da Leica estava presente.

As câmeras 0-series são protótipos da fábrica, muito parecidos com o produto final porém, usada para testes e análises de patente. No caso, foram fabricadas somente 25 unidades desse modelo e são conhecidas poucas em boas condições, incluindo a nova detentora do recorde de preço.

Só pra aguçar a curiosidade, essa é uma lista das câmeras mais caras do mundo ainda em produção: www.cameranaestrada.com/as-cameras-fotograficas-mais-caras-do-mundo

Field Candy: Acampando com estilo

Foto: www.fieldcandy.com

Acampar é muito bom, seja dentro de um camping, seja selvagem. Nada como uma barraca pra nos colocar em contato mais próximo com a natureza. Barracas existem aos milhares, dos mais diferentes tamanhos e modelos e agora também tem uma certa dose de estilo.

A empresa britânica Field Candy tem uma ampla linha de produtos criativos para camping. São barracas, tendas, barracas infantis, travesseiros, ponchos e outros artigos de camping com estampas originais e divertidas.

Foto: www.fieldcandy.com

Você não precisa mais dormir naquela sua barraca comum e pode escolher um livro, uma nave espacial ou uma melancia, por exemplo. Ou talvez você prefira uma imagem de uma floresta ou do campo pra se integrar totalmente ao ambiente. E tem mais, você pode encomendar uma barraca com estampa personalizada e a bolsa que acompanha a barraca segue o mesmo estilo.

Foto: www.fieldcandy.com

Os preços das barracas variam entre US$300 e US$400. Quer conhecer toda a linha de produtos? Visite o site da Field Candy: www.fieldcandy.com

Canon lança flash inteligente Speedlight 470EX-AI

Após um tempo sem lançamentos empolgantes, a Canon resolver dar uma revolucionada no mercado de flashes dedicados. A marca lançou essa semana o Speedlight 470EX-AI, flash dedicado inteligente que ajusta automaticamente o ângulo de disparo da cabeça do flash. Esse ajuste visa obter a melhor configuração de iluminação.

O novo Speedlight 470EX-AI mede a distância até o objeto que está sendo fotografado e também a distância para o teto ou outra superfície que possa ser usada como rebatedor. Com esses dados, o flash ajusta automaticamente o ângulo da cabeça de modo a obter a melhor iluminação. Quando você vira a câmera ou muda a distância do objeto, ele se ajusta automaticamente para continuar utilizando a melhor configuração.

O flash tem número guia 47m, zoom 24-105mm, display LCD iluminado, configurações manuais, semi-automático e automático E-TTL, E-TTL II e AI.B. Pode também ser usado remotamente com os transmissores Canon e é compatível com toda a linha EOS. Para o modo automático AI.B, somente câmeras fabricadas a partir de junho de 2014. Os modelos T7, T6, M3, M5 e M6 também não são compatíveis com o modo AI.B.

O preço de lançamento é de US$399 e o novo modelo visa os usuários de entrada na fotografia. Mais informações no site oficial da Canon.

7 Coisas que todo fotógrafo deve carregar na mochila

Foto: www.cameranaestrada.com

Você pode sair pra fotografar um casamento, produtos para publicidade ou pode estar indo viajar para um lugar incrível que pode render muitas fotos. Em qualquer ocasião de fotografia, tem certas coisas que são obrigatórias pra todo fotógrafo além das câmeras, lentes e flashes.

Essa é a lista de coisas que eu já deixo direto dentro da mochila pra nunca esquecer de levar num trabalho e que aconselho que todo fotógrafo deve carregar:

  1. Baterias extras – Num trabalho mais intenso com muitas imagens e principalmente vídeos, as baterias se esgotam rápido. Normalmente saio de casa com todas as baterias completas. Levo um total de 3 ou 4. O mesmo vale para as pilhas dos flashes. Levo no mínimo 2 jogos.
  2. Cartões de memória extras – Muitos trabalhos cabem num cartão só mas isso não significa que ele jamais vá dar algum problema. Todo fotógrafo deve levar mais cartões que só o necessário para o trabalho, mesmo porque eles são bem baratos perto das câmeras e objetivas.
  3. Cabo de interface – Normalmente, eu fotografo conectado ao notebook, então o cabo é fundamental. Já tive problemas no leitor de cartões do notebook e daí pra frente, sempre levei o cabo USB da câmera.
  4. Mini tripé – Além do tripé grande, sempre tenho um mini tripé na mochila. Ele tem uns 25cm fechado e 1,5m aberto. É frágil mas é bem leve e pode quebrar um galho em algumas situações. Se estiver indo pra algum lugar ermo carregando material de camping e comida, levo só ele.
  5. Acessórios para limpeza – Bem importante principalmente em externas. Um kit de limpeza com fuc-fuc (soprador com pincel), caneta pra limpeza de lente e flanela de microfibra são suficientes. No final de um dia de fotografia, sempre limpo tudo.
  6. Cartão branco/cinza – Usado pra calibrar balanço de branco personalizado e fazer medições em locais com muita variação de luminosidade. Dificilmente uso um balanço de branco da câmera, sempre faço o meu personalizado.
  7. Disparador remoto/timer – O disparador remoto é fundamental pra baixas velocidades e acabo usando o tempo todo no estúdio. Pra time-lapses ou uso de timers muito longos, uso um disparador programável. Não é caro e é muito eficiente.
Older posts

© 2018 Câmera na Estrada

Theme by Anders NorenUp ↑