Foto: AlainAudet / www.pixabay.com

Imagine acordar todos os dias num lugar novo. Um dia numa montanha do Nepal, no outro, uma praia do Caribe, num outro dia, uma grande cidade da Europa. Você sai para explorar o local com sua câmera registrando tudo, as paisagens, as pessoas, as culturas, a comida. E não se preocupe com sua conta corrente, no final do mês, seu salário será depositado na sua conta.

Lindo né? Esse é a vida de um fotógrafo de viagem, pelo menos do ponto de vista de quem está vendo do lado de fora. O mundo real é um tanto diferente e menos glamuroso, muitas vezes desconhecido da maioria das pessoas. Vamos então a uma lista de 7 coisas que fazem parte da vida de um fotógrafo de viagem e que não são contadas nas revistas e perfis do Instagram:

1 – Não são férias, é trabalho

Normalmente, você não terá meses pra fazer boas fotos mas poucos dias. Isso significa que muitas vezes não resta tempo para curtir o lugar. Você não terá uma segunda chance. Se não voltar com boas fotos das férias, paciência. Se não voltar com boas fotos de uma viagem a trabalho, você não recebe.

2 – Vida social é um luxo

Você passa um bom tempo  fora de casa em outras cidades ou países, estradas ou aeroportos. Nem sempre você vai estar ao lado da sua família e amigos. Aquele happy hour do pessoal da faculdade não irá esperar que você volte e muitas vezes, você irá perder eventos importantes. Isso pode incluir o velório de um parente que se foi enquanto você estava do outro lado do planeta.

3 – Muitos querem, poucos pagam

Independente das desvantagens da vida de um fotógrafo de viagem, muita gente está disposta a seguir essa profissão. Isso não significa que tenha vaga pra todo mundo, ou seja, seu trabalho terá que estar entre os melhores do mundo. Isso exige estudo, treino e muita dedicação. Fique na média e ninguém vai querer te contratar. Só como curiosidade, dá uma olhada nesse post, sobre quanto as publicações pagam pros fotógrafos.

4 – O tempo sempre tem que estar bom

Você foi prum dos parques nacionais mais bonitos do mundo e choveu o tempo todo. Você foi cobrir um festival religioso na Índia mas a comida te deixou preso no banheiro. Qualquer motivo de “força maior” poderia ser uma desculpa para não entregar um trabalho. Se você ficou doente no escritório, pegue um atestado médico e passe uns dias na cama. Esqueça isso como fotógrafo de viagem. O tempo é curto e você fotografa com sol, chuva, frio, doente, machucado ou em qualquer situação em que você seja capaz de pressionar o disparador.

5 – Hotéis de luxo e restaurantes da moda?

Talvez você fique hospedado nos melhores hotéis do mundo e desfrute das melhores atrações disponíveis aos turistas mas só se esse for o objetivo do seu trabalho. Na maior parte das vezes, você recebe um valor diário que irá cobrir todas as suas despesas. Quanto mais você gastar, menos sobra pra você. Isso faz com que os fotógrafos escolham se hospedar e comer nos locais mais baratos possíveis, bem longe daquele resort na praia.

6 – Viagem nem sempre é pro paraíso

Você pode ser contratado para fotografar as praias da Polinésia Francesa ou então, os cafés de Paris. Mas também pode ser contratado pra retratar os danos dos terremotos e furacões no Haiti ou a caça ilegal aos gorilas do Congo, onde pesquisadores são assassinados. O trabalho nem sempre é do jeito que você sonha.

7 – É só você

É muito raro viajar com uma equipe, a menos que você seja fotógrafo de uma expedição. Na maioria das vezes, você viaja sozinho e tem que se virar com tudo. Aqueles lugares e experiências incríveis também não poderão ser compartilhadas, muitas vezes você está isolado em um lugar.

Concluindo, a vida de um fotógrafo viajante não é assim tão fácil mas muitos acreditam que vale a pena. Eu acredito! Se você concorda, mãos à obra, faça seu melhor trabalho e mostre para o mundo.